Escolha a linguagem de programação que combina com você

Escolha a linguagem de programação que combina com você

O mundo da programação é bastante vasto, são incontáveis os casos de pessoas que entram e saem desta área, entretanto, um fato chama a atenção: “Muita gente desiste da área sem ao menos se dar a chance de tentar aprender algo novo”. Quem não conhece aquela pessoa que começou a aprender programação, viu alguns códigos em C ou em Java, olhou para aquele troço com uma cara de: “Que troço horrível é esse?”. Bem, pode ser que esta pessoa tenha desistido da área e dito, inclusive, algo do tipo: “Esta área não é para mim”.

Apesar de bastante gente realmente ter um pavor enorme pela lógica de programação e estrutura de dados, seja por ser um processo demorado e contínuo de aprendizado, seja pela falta de motivação pessoal ou familiar, a maioria das pessoas desiste sem se dar uma segunda chance. Mas o que seria uma segunda chance? Neste contexto, uma segunda chance não é baixar várias apostilas da mesma linguagem, tampouco ficar acordado 20 horas por dia tentando entender aquele algoritmo de exemplo na internet que alguém colocou. Não tente isto!
Uma segunda chance significa olhar para os lados, buscar por algo diferente e é isto que este artigo buscará trazer para o seu leitor.

Para facilitar, pode-se imaginar um cenário onde uma pessoa iniciou seus estudos de programação pela linguagem Java, tentou, tentou, tentou de novo, se irritou, quebrou algumas coisas, tentou mais um pouco, esbravejou, se entristeceu e agora quer desistir da área. Antes de fazer isso, esta pessoa poderia pensar: “Mas será que eu sou tão ruim assim ou eu só não consigo compreender esta linguagem?”.

Vamos comparar um código Java com um código Python para descobrir. O objetivo não é mostrar se uma linguagem é superior a outra, mas sim, mostrar que para algumas pessoas, um tipo de sintaxe é mais compreensível que outro. Cada pessoa tem uma forma de aprender e entender as coisas.

O exemplo a seguir pretende ler a entrada de algum console e escrever no próprio console o que foi escrito.

Java:

public class MinhaAplicacaoJava {
  public static void main(String[] args) {
    Scanner teclado = new Scanner(System.in);
    String leitura = teclado.nextLine();

    System.out.println("O que eu escrevi? " + leitura);
  }
}

Python 3:

leitura = input()
print("O que eu escrevi?", leitura)

Se perguntar para alguém que está começando a programar, qual das duas é mais fácil de entender, o autor que vos escreve chutaria a segunda opção, o Python. Fica fácil de percebermos que alguém que está começando a aprender precisa ver pouca coisa.

Imaginando alguém que está aprendendo a programar, ao olhar para a implementação em Java ficou mais ou menos assim:

//O que é class? Pra que eu preciso disso?
public class MinhaAplicacaoJava { //O que é isso meu Deus?
public static void main(String[] args) { //Isso aqui é algum tipo de macumba?

Já na implementação em Python:

leitura = input() # Eu conheço inglês e sei que input significa entrada. O abre e fecha de parênteses me assusta um pouco, mas tudo bem.
print("O que eu escrevi? %s", leitura) # Hmm, print, sei que print significar imprimir, só não entendo o %s, mas nada que uma pesquisada no Google não me ajude, né?

Entendido as diferenças, mas ainda é possível observar que entre as duas linguagens, há uma série de conceitos que precisam ser entendidos para que um programador experiente surja. De fato! Mas, primeiro, deve-se entender lógica de programação e conhecê-la é a base de tudo. A orientação a objetos é de suma importância também, mas ela não deve ser o foco inicial.

Tá, e como eu escolho a linguagem que é a minha cara? Vamos com calma pequeno gafanhoto…

Pode-se começar buscando fontes na internet sobre linguagens, aleatoriamente, pesquise sobre linguagens aleatoriamente. Veja e compare códigos entre as linguagens, ache a “sua linguagem”. Que tal PHP? Já viu JavaScript? C? C#? Talvez Pascal?
Pode-se fazer uma lista com linguagens que despertam o seu interesse e que são plausíveis de ser entendidas. A partir de então, filtre as linguagens dessa lista.
Neste link há uma lista com várias linguagens, devidamente categorizadas. A sugestão é que várias linguagens sejam experimentadas.

Uma dica importante, porém nem sempre viável, se possível estudar com amigos, o processo de aprendizagem pode ser mais fácil, mais rápido e mais divertido.
Deve-se procurar fazer coisas legais, como jogos e desafios, pode-se por exemplo praticar a lógica de programação com os exercícios do URI Online.
A linguagem de programação que é a sua cara, vai aparecer, a medida que você vai conhecendo os diferentes mundos e acha a linguagem que realmente se encaixa para você.
Se tem algo que o escritor deste artigo pode lhe dizer é: insista!

Por fim, uma lista com linguagens que eu indicaria para alguém que está começando:

    • Swift – Linguagem nova no mercado, bastante versátil e simples de se entender.
    • Kotlin – segue a mesma linha do anterior e trabalha em conjunto com o Java, ou seja, pode servir de âncora para você aprender Java também, caso seja a sua dificuldade.
    • Python – Segue uma pegada mais autêntica, com versatilidade, sem perder a simplicidade.
    • Ruby – Segue na mesma linha do Python.
    •Pascal – Apesar de ser considerada uma linguagem antiga, é uma ótima linguagem para aprender os fundamentos básicos.

Se você gostou deste artigo e ele foi útil para você, compartilhe com seus amigos e traga mais pessoas para o lado programação da força!!!

O senhor caveira é programador web, mobile, Desktop, amante da Tecnologia e filósofo de boteco.

Deixe um comentário :)

%d bloggers like this: