Introdução às Criptomoedas

Introdução às Criptomoedas

Muito se ouviu falar sobre o bitcoin em 2017, várias pessoas que resolveram investir na moeda no começo do ano e se deram incrivelmente bem ao final do ano. Para se ter uma ideia, quem resolveu investir no início de 2017 o bitcoin estava em R$ 3.273 e ao final estava em R$ 44.412, é um bom lucro não?

Observando esses dados animadores, bate até uma vontade de querer comprar bitcoin agora mesmo não é? Mas neste mercado de criptomoedas acontecem de vez em quando algumas “zebras”, no começo deste ano o bitcoin foi bombardeado com várias notícias ruins fazendo seu preço chegar no dia 6 de fevereiro a R$ 20.197.

Diante de toda essa movimentação de preços, altas e baixas, as criptomoedas começaram a ser mais comentadas na mídia, o que gerou dúvidas para quem desconhecia até então esse mercado, como por exemplo, como funciona essa tecnologia toda ? O que raios é Blockchain? Posso abrir um negócio com isso?

Vamos a parte técnica do negócio, as criptomoedas mais conhecidas do mercado podem ser criadas basicamente por duas formas, a primeira chamada de POW sigla de Proof Of Work (Prova de trabalho), significa que é criada através do uso de placa de vídeo, cpu ou ASIC ( equipamento mais sofisticado feito somente para este processo) . O trabalho é contribuir com o seu poder computacional para resolver os códigos de cada bloco.

A segunda forma é chamada de POS sigla de Proof of Stake (Prova de Participação), significa que é gerada por uma espécie de sorteio, onde quanto mais moedas se têm mais fácil é ganhar o sorteio. Então o ganhador tem o direito de ser o criador do próximo bloco e ganhar a sua recompensa. Popularmente estes processos de criação são chamados de “mineração”.

Sabendo como as moedas são criadas, agora vamos entender o que é o Blockchain e porque vem sendo cada vez mais adotado por empresas em todo o mundo. Imagine o Blockchain como um livro contábil, onde cada “página” desse livro possui um registro de transação que fica armazenado em todo o mundo. Formando assim uma cadeia de blocos, dentro de cada bloco a um conjunto de transações que são criptografados.

Desta forma, o Blockchain é extremamente seguro por ser criptografado, as transações só podem ser feitas quando o bloco é totalmente preenchido, é armazenado no mundo todo e também pode ser consultado por qualquer pessoa que queira verificar as transações.

Além do mais o Blockchain pode ser utilizado para outras finalidades, como por exemplo, um sistema de transferências bancárias, compartilhamento de dados de pacientes e entre outros.

E os negócios?

Neste mundo das criptomoedas existe uma grande variedade de formas para se ter um negócio próprio, como a própria mineração citada antes, é possível fazer “arbitragem” entre moedas onde basicamente se compra alguma moeda em uma exchange por um valor mais baixo e vende se em outra exchange por um valor mais caro gerando assim um lucro.

Outra forma é o investimento em moedas para médio e longo prazo, como o bitcoin começou o ano com um valor consideravelmente mais baixo do que o final do ano passado, temos uma oportunidade para investir no próprio bitcoin e também em outras moedas tais como : Ethereum, Ripple, Litecoin, Cardano …

Este primeiro artigo foi um pequeno resumo sobre este universo das moedas virtuais, daqui em diante teremos assuntos mais específicos e voltados tanto para iniciantes como também para quem já está mais familiarizado.

Se gostou deste artigo compartilhe com seus amigos!

Formado em finanças, investidor de moedas digitais e conhecedor da tecnologia utilizada nas criptomoedas.

Deixe um comentário :)

%d bloggers like this: